07/11/2017 11h08 | Por: Hyérica Santiago

Palácio Floriano Peixoto reafirma padrões arquitetônicos europeus

Com a inauguração do Palácio Zumbi dos Palmares, que passou a ser a nova sede do governo, o prédio do Palácio Floriano Peixoto passou a ser o Mupa (Museu do Palácio de Alagoas).

Texto de: ALmanaque 200 de Setembro
Palacio

A construção do Palácio do Governo foi iniciada em 1893, na gestão de Gabino Besouro, pelo engenheiro Carlos Jorge Calheiros de Lima. Segundo o historiador Craveiro Costa, com a deposição de Besouro, as obras foram paralisadas. Embora tenham sido retomadas pelo barão de Traipu, que o substituiu, foram descontinuadas novamente em 1897 e só retomadas em 1900, já no governo de Euclides Malta.

Descontente com a planta original, Malta delegou ao arquiteto italiano Luigi Lucarini a tarefa de imprimir uma nova feição ao monumento. “O edifício foi completamente alterado; a fachada, sobretudo, sofreu radical transformação, oferecendo um belo conjunto, magnificamente tratado na sua ornamentação e elegância de estilo”, diz Craveiro Costa no Indicador Geral do Estado de Alagoas (1902).
A inauguração, no dia 16 de setembro de 1902, tornou o monumento, na praça da Igreja do Bom Jesus dos Martírios, uma referência da expansão urbana da área central da cidade. E despertou também o gosto da elite por uma arquitetura afinada com os padrões europeus.
 
MONUMENTO ECLÉTICO
O palácio de dois andares tem predominância de elementos neoclássicos, com pórticos de arcos de meio ponto, fachada com armas do Estado ladeadas por esculturas e torreão, de construção posterior, que serve de mirante.
O requinte do interior palaciano é destacado pela decoração em estuque e claraboias no salão nobre. As pinturas originais das paredes foram destruídas.
 
 
PALÁCIO DOS MARTÍRIOS
Em 17 de outubro de 1947, por meio do Decreto nº 417, o palácio foi oficialmente denominado Palácio Marechal Floriano Peixoto, em homenagem ao alagoano, segundo presidente da república. Mas a denominação consagrada pelo povo é Palácio dos Martírios, em alusão ao padroeiro da igreja, situada na mesma praça.
 
 
ACERVO PERDIDO
Desde a sua fundação, o palácio sofreu muitas alterações na ambientação e teve o acervo móvel (porcelanas, cristais, pratarias e peças do mobiliário) dilapidado. Mantém preservado o conjunto de 17 quadros a óleo do pintor Rosalvo Ribeiro, doado pelo autor ao governo de Estado, que custeou seus estudos na Europa.
Em 2006, com a inauguração do Palácio Zumbi dos Palmares, que passou a ser a nova sede do governo, o prédio do Palácio Floriano Peixoto passou a ser o Mupa (Museu do Palácio de Alagoas).
 
 
“A obra de Lucarini, em Maceió, localizada estrategicamente nos largos situados nos limites da cidade, impulsiona a urbanização destes espaços para transformá-los em lugares bem cuidados, de permanência e sociabilidade”.


Leia a matéria completa no almanaque de setembro http://bit.ly/almanaqueSetembro